terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Títulos – Copa do Brasil de 1995

O ano de 1995 foi inesquecível para o torcedor corinthiano. Em um curto período de tempo, conquistamos o Paulistão derrotando o Palmeiras na final e ganhamos a Copa do Brasil, primeira de nossa história.

O caminho para o título inédito começou no ano anterior, 1994, quando vencemos a Copa Bandeirantes, torneio que reservava ao seu campeão uma vaga para a Copa do Brasil de 1995. E assim rumamos para mais um título histórico.

O regulamento da Copa do Brasil era o mesmo vigente até os dias de hoje: as equipes participantes se enfrentariam em jogos eliminatórios de ida e volta até a final, quando se decide o campeão.

Nossa estreia na Copa do Brasil de 1995 não foi das melhores: apenas empatamos em 1x1 com o Operário, no Mato Grosso, partida na qual sofremos o primeiro gol e tivemos que correr atrás do empate. Mas esse foi o único dos 10 jogos do Corinthians na competição em que ficamos em desvantagem no placar. Melhoramos na partida de volta, e uma goleada por 4x0 nos levou às oitavas.

Nessa fase, tivemos como adversário o Rio Branco, do Acre. Com duas vitórias (3x0 fora de casa e 2x0 no Pacaembu), avançamos novamente.

Nas quartas, pegamos o Paraná Clube, que na época tinha uma boa equipe. E foi meio que no sufoco que avançamos às semifinais, após um empate sem gols no Paraná e uma vitória apertada, por 2x1, em casa.

Teríamos um adversário tradicional na semifinal, o Vasco da Gama, mas curiosamente esse foi o confronto mais fácil que tivemos na competição. O Corinthians nem tomou conhecimento do clube carioca, vencendo a partida de ida, no Rio, por 1x0, e aplicando uma goleada por 5x0 em São Paulo, com três gols de Viola. Um massacre. Com esse resultado, nos tornamos a primeira equipe paulista a chegar na decisão do torneio, e seríamos também a primeira a conquistar o título.

Na finalíssima, nosso adversário seria o imponente time do Grêmio, que vivia uma grande fase e naquele mesmo ano chegaria ao título da Libertadores. A equipe treinada por Felipão já havia vencido duas vezes a Copa do Brasil e era favorita ao título. Pra dificultar ainda mais as coisas, esse foi o único confronto da nossa campanha em que tivemos que fazer a partida de volta como visitantes. Mas nada disso serviria para tirar o título da gente: venceríamos, mesmo em território adversário.

Na primeira partida da decisão, disputada no Pacaembu em 14 de junho, vitória apertada do Corinthians, por 2x1, com gols de Viola e Marcelinho. Na finalíssima, dia 21 de junho, no Estádio Olímpico, o clima era de grande tensão, e houve hostilidade até na hora do aquecimento. Com a bola rolando não foi diferente: tomamos a maior pressão do Grêmio, que precisava reverter o resultado. O 0x0 seguia firme no placar até que o sempre decisivo Marcelinho abriu o placar, e a vitória por 1x0 decretou mais um título corinthiano.

O Corinthians de 1995, treinado por Eduardo Amorim, será sempre lembrado pelo torcedor por seu estilo ofensivo de jogo. A equipe jogava pra frente, buscando a vitória mesmo quando a classificação já estava encaminhada – fez 21 gols em 10 jogos na competição, média de 2,1 por partida. Porém, a defesa também era muito sólida: levou apenas três gols, terminando sua participação no torneio com média de 0,3 gols sofridos por jogo. Por isso, o título invicto, com oito vitórias e dois empates, foi mais que merecido para uma equipe tão equilibrada.

Essa campanha vitoriosa do Timão ainda conseguiu outro feito: bater recordes de audiência. O torneio teve transmissão do SBT, e a segunda partida da final alcançou incríveis 52 pontos no Ibope – maior pontuação já registrada pela emissora até então.


Time-base: Ronaldo; André Santos (Vítor), Célio Silva, Henrique e Silvinho; Zé Elias, Bernardo (Ezequiel), Marcelinho Carioca (Elivélton) e Souza (Marcelinho Paulista); Viola (Fabinho) e Marques (Tupãzinho). Técnico: Eduardo Amorim.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário