quinta-feira, 30 de julho de 2015

Títulos – Campeonato Paulista de 2009

Após a traumática queda no Campeonato Brasileiro em 2007 e o calvário da Série B em 2008, o Corinthians retomou o caminho para seus dias de glória em 2009, com os títulos do Paulistão e da Copa do Brasil.

A base que trouxe o time de volta à Série A e que havia chegado à final da Copa do Brasil em 2008 foi mantida em 2009, com um reforço que chamou a atenção do mundo todo: Ronaldo Fenômeno, um dos maiores jogadores de todos os tempos, campeão do mundo pela Seleção Brasileira e eleito três vezes o melhor jogador do planeta pela Fifa, foi anunciado como a nova contratação do Corinthians. Houve quem duvidasse de seu desempenho, pois ele novamente se recuperava de uma grave lesão que ameaçava interromper sua carreira e também lutava para se manter dentro de seu peso ideal, mas o trabalho feito pelo departamento médico corinthiano e a força de vontade do atacante fizeram com que ele ficasse 100% para conduzir a equipe a mais um título estadual apenas duas meses depois de sua estreia.

Na primeira fase do Campeonato Paulista de 2009, as 20 equipes se enfrentariam em turno único, com as quatro mais bem posicionadas avançando para as semifinais.

O Corinthians garantiu a terceira colocação com uma campanha apenas razoável (10 vitórias e nove empates em 19 partidas), normalmente vencendo seus jogos em casa e trazendo um empate das partidas como visitante.

O jogo de maior destaque dessa fase inicial foi o clássico contra o Palmeiras, em Presidente Prudente. O Palmeiras vencia por 1x0 até os 47 minutos do segundo tempo, quando Ronaldo, que tinha iniciado a partida no banco de reservas e havia estreado no clube apenas quatro dias antes, marcou de cabeça o gol de empate, após um escanteio cobrado por Douglas. O gol foi importante não apenas pelo resultado e por ser o seu primeiro com a camisa do clube, mas também por permitir que o Corinthians seguisse invicto na competição. Até a comemoração do gol foi inesquecível, com o alambrado se quebrando quando Ronaldo foi celebrar com os torcedores.

Nas semifinais, contra o São Paulo, não faltou emoção – e nem polêmica. Na partida de ida, no Pacaembu, o São Paulo abriu o placar ainda no primeiro tempo, Elias empatou logo em seguida e o 1x1 persistiu no placar até o último minuto de jogo, quando Cristian roubou uma bola no meio de campo e bateu de fora da área, virando a partida em 2x1 com um golaço. Na comemoração do gol, fez o gesto de uma das torcidas organizadas do adversário, a Independente, com os braços cruzados, mas erguendo também os dedos médios, fazendo gestos obscenos aos torcedores são-paulinos. Na partida de volta, no Morumbi, jogando pelo empate, o Timão abriu o placar com Douglas, e dois minutos depois, Ronaldo ampliou, decretando a vitória por 2x0. A comemoração do Fenômeno também foi memorável, imitando o gesto de Cristian, mas com os indicadores erguidos, e não os dedos médios, novamente em provocação aos rivais.

A final, contra o Santos, foi ainda mais memorável. A primeira partida, na Vila Belmiro, vista como um confronto difícil, foi um passeio: 3x1 para o Corinthians, com direito a um golaço de Ronaldo, encobrindo o goleiro Fábio Costa, gol classificado como "digno de uma Copa do Mundo" por ninguém menos que o Rei Pelé – que, aliás, estava presente no estádio mas resolveu ir embora após o terceiro gol corinthiano. Na partida de volta, o Santos precisaria fazer três gols para tirar o título das nossas mãos, mas não foi capaz: o jogo acabou empatado em 1x1. Assim, comemoramos mais um título paulista, e ainda por cima invicto, fato que não acontecia com o Corinthians desde 1938 e na história geral do Paulistão desde 1972.

A festa do título foi um tanto quanto constrangedora: o capitão William levantou a taça em uma espécie de guindaste, no qual foram lançados papéis picados e fogos de artifício. Resultado: os papéis picados pegaram fogo e o jogador acabou se queimando também, chegando até a derrubar a taça. Mas foi apenas um susto. Ninguém se machucou com o ocorrido e a comemoração seguiu normalmente.

Entraram na seleção do campeonato feita pelo jornal Diário de São Paulo nada menos do que sete jogadores corinthianos: Felipe, Alessandro, André Santos, Chicão, Elias, Cristian e Ronaldo, além do técnico Mano Menezes. Embora o próprio Fenômeno tenha afirmado que o destaque do Corinthians no campeonato tenha sido o volante Elias, Ronaldo foi eleito o melhor jogador do torneio pela Federação Paulista. Não é pra menos: é a imagem dele que ilustra o título paulista de 2009 na memória dos corinthianos, especialmente devido aos gols marcados contra Palmeiras e Santos.


Time-base: Felipe; Alessandro, Chicão, William e André Santos; Cristian, Elias e Douglas (Boquita); Jorge Henrique, Ronaldo (Souza) e Dentinho (Morais). Técnico: Mano Menezes.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário