sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Títulos – Campeonato Paulista de 1952

Em 1952, o Corinthians escreveu mais um capítulo do período que é considerado o mais forte de sua história. Mantendo a base campeã paulista do ano anterior, que incluía ídolos eternos como Idário, Cláudio, Luizinho, Baltazar e Carbone, e ainda contando com os reforços de Olavo e Goiano, que fariam história no clube por quase uma década, o Timão partiu para mais um bicampeonato, ampliando sua vantagem como o maior vencedor do Campeonato Paulista.

A grande força corinthiana naquele ano continuava sendo o ataque. Se no Campeonato Paulista de 1951 foram 103 gols marcados, em 1952 a marca também foi muito boa: 89 gols em 30 partidas, média de quase três por jogo. Goleadas eram comuns: 6x0 no XV de Jaú (com cinco gols de Baltazar), 7x1 no Nacional, 6x2 no Juventus, 4x1 no Santos e 6x4 no Palmeiras foram os placares mais elásticos na campanha vitoriosa.

A fórmula de disputa do campeonato era a mesma do ano anterior: pontos corridos, com 15 equipes se enfrentando em turno e returno ao longo de 30 rodadas.

Em um campeonato disputado cabeça a cabeça com o São Paulo, o título veio só na penúltima rodada, já no ano seguinte, em 25 de janeiro de 1953. Comemoramos o título nesse dia apesar de uma inesperada derrota por 3x1 para o XV de Jaú, isso porque o São Paulo, que era a única equipe além do Corinthians com chances de título, precisava vencer para levar a decisão para a última rodada caso quisesse se manter vivo na luta pelo título, mas também perdeu seu jogo naquela rodada, para a Portuguesa. Dessa maneira, o Corinthians conquistou o Campeonato Paulista de 1952, o 14º de sua história, com uma rodada de antecedência.

O último compromisso daquele campeonato poderia servir apenas para cumprir tabela, mas foi histórico: um 3x2 de virada sobre o São Paulo, que veio com o intuito de carimbar nossa faixa e se vingar pelo vicecampeonato. Reza a lenda que no intervalo, quando o Corinthians perdia por 2x0, o folclórico presidente corinthiano Alfredo Ignácio Trindade teria ido ao vestiário e feito um inflamado discurso para os jogadores, lembrando que milhares de torcedores internados em hospitais esperavam uma vitória corinthiana com o ouvido colado em radinhos de pilha e que os jogadores não mereciam a faixa de campeão por permitirem um resultado como aquele. Verdade ou não, o fato é que o Corinthians voltou a campo com outra atitude e acabou com o jogo: virou a partida, com três gols em 45 minutos.

O artilheiro do campeonato, mais uma vez, foi um jogador do inesquecível ataque corinthiano: Baltazar, com 27 gols.


Time-base: Gylmar (Cabeção); Homero e Olavo; Idário (Sula), Goiano (Lorena) e Julião (Roberto); Cláudio, Luizinho, Baltazar, Carbone (Gatão) e Mário (Colombo). Técnico: Rato.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário