quinta-feira, 2 de junho de 2016

Títulos – Campeonato Paulista de 1997

O Campeonato Paulista de 1997 foi mais um dos diversos títulos estaduais vencidos pelo Corinthians entre a metade dos anos 90 e o início da década seguinte.

Foi o primeiro triunfo (e um dos únicos) alcançado pelo milionário time corinthiano montado após a parceria com o Banco Excel que contava com os reforços dos atacantes Donizete "Pantera" e Túlio "Maravilha", do zagueiro Antônio Carlos e do lateral André Luiz, além do craque Neto, que retornou ao clube nessa temporada, embora ele não tenha tido muitas oportunidades no time.

O regulamento do torneio, como de costume, era dos mais confusos: as 16 equipes participantes foram divididas em dois grupos com oito times cada. Na primeira fase, cada equipe enfrentaria os sete adversários de seu próprio grupo, em turno único; já na segunda fase, os confrontos seriam contra as oito equipes do outro grupo, dessa vez em turno e returno. A pontuação das duas fases era somada, e os dois primeiros colocados de cada grupo avançariam para a fase final.

Como era de se esperar, o Timão enfrentou essa etapa sem sustos. Com destaque para incríveis 8x2 sobre o Guarani, humilhantes 5x2 sobre o Palmeiras (com três gols de Donizete) e goleadas também sobre América (5x0, com três gols de Marcelinho) e São José (6x2, com três gols de Túlio), o Corinthians assegurou a primeira posição do Grupo 2, logo à frente do São Paulo. Essas duas equipes, mais Palmeiras e Santos, que se classificaram no Grupo 1, avançaram para a fase final: um quadrangular no qual todos se enfrentariam em turno único, com o time que somasse mais pontos após três rodadas sendo consagrado campeão.

Nossa estreia no quadrangular seria contra o Santos, que inclusive foi um dos poucos adversários que havia conseguido nos derrotar na fase anterior. O jogo foi bastante difícil, até porque tivemos Marcelinho expulso logo no início do segundo tempo, mas mesmo com um jogador a menos, o Corinthians conseguiu uma vitória heroica, por 4x3, largando na liderança do quadrangular.

Em nossa segunda partida nessa fase, teríamos pela frente o Palmeiras, que vinha para o tudo ou nada, já que havia sido derrotado pelo São Paulo na partida anterior. Vencemos mais uma, por 2x0, resultado que eliminou o rival com uma rodada de antecedência e nos manteve na ponta da tabela.

A partida final e decisiva, em 5 de junho, seria disputada entre as duas equipes com chances de título: Corinthians e São Paulo, ambos com duas vitórias nas partidas anteriores. Com a arbitragem internacional de Sándor Puhl, húngaro que havia apitado a partida entre Brasil e Itália na final da Copa de 1994, jogávamos pelo empate, pois apesar de o São Paulo levar vantagem no saldo de gols, o primeiro critério de desempate era a campanha na fase anterior, na qual fomos superiores ao rival. Apesar de toda a pressão são-paulina, que inclusive obrigou o goleiro Ronaldo a operar grandes milagres, nosso lateral-esquerdo André Luís, que no início daquele ano ainda jogava no São Paulo, fez contra seu ex-clube o gol que seria o do título, aos 45 do primeiro tempo, em um chute cruzado que bateu no tornozelo de Rogério Ceni e foi desviado para dentro do gol. No início da segunda etapa, sofremos o empate, mas o jogo acabou mesmo em 1x1, resultado suficiente para que o Corinthians comemorasse o seu 22º título paulista.

Com isso, voltamos a ser os recordistas isolados de títulos no estado – situação que persiste desde então –, deixando para trás o Palmeiras, com 21 conquistas.


Time-base: Ronaldo (Maurício); Fábio Augusto (Rodrigo) (Ayupe), Antônio Carlos (Célio Silva), Henrique (Sangaletti) (Cris) e André Luiz (Carlos Roberto); Gilmar, Romeu (Silvinho) (Fernando Diniz), Marcelinho e Souza (Neto); Donizete e Túlio (Mirandinha). Técnico: Nelsinho Baptista.

Para ver uma lista com todos os títulos da história do Corinthians, clique aqui.

Para acessar os posts sobre outros títulos da história do Corinthians, clique aqui.
                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário